O inexplicável (?) silêncio do CNE diante do desmonte da formação de professores

A área da educação vem sendo destruída  em suas conquistas ao longo das ultimas décadas. Em memoráveis tempos de disputa de projetos de educação entre os tradicionalmente denominados setores “conservadores, neoliberais e progressistas”, as proposições do Conselho Nacional de Educação eram de conhecimento público e socializadas amplamente pela imprensa e pelas entidades nele representadas.  O debate democrático entre CNE e entidades e instituições de ensino em audiências públicas,  muitas vezes realizadas em 4 ou 5 estados de modo a ampliar a participação dos educadores interessados, permitia a ampla socialização das proposições e maior possibilidade de intervenção na definição das regulamentações e regulações de politica educacional ali discutida.

Nem mesmo a onda de resistência nacional ao Future-se, que representará a derrota de toda a possibilidade de mantermos e expandirmos – ainda que nos tímidos termos indicados no PNE – , a educação superior pública gratuita, fez com que o CNE saísse do seu silêncio.

Nem mesmo temos certeza de que o debate exclusivamente interno entre posições ali se desenvolva, dado o histórico domínio do setor privado em sua composição, e quase total após o golpe de 2016, com a retirada dos representantes das entidades cientificas e acadêmicas da área educacional.

No campo da formação de professores, o quadro se evidencia preocupante. Além do desmonte oficial das políticas até então implementadas, o CNE vem mantendo esta discussão a portas fechadas.

Em que pese a realização de várias reuniões internas para as quais as entidades foram convocadas para debater as novas DCNs da Formação de Professores, nenhuma audiencia pública foi ainda convocada para a apresentação da proposta que certamente substituirá ou revogará as DCNs de Formação de 2015, construída democraticamente com as diferentes entidades e instituições envolvidas com a formação. A ANFOPE – Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação – que participou , em 4 de julho, de uma destas reuniões convocadas com esse objetivo, deixa evidente em seu Boletim deste mês  as reais intenções do CNE ao protelar a responsabilidade de todas as IES na implementação das DCNs de 2015.

Ora, no entendimento do CNE torna-se “imprescindível editar uma nova resolução, inclusive porque, agora, será preciso dispor de tempo para rever, no seu conjunto, os dispositivos curriculares da formação de professores” , demonstrando o desejo de amplo controle sobre os currículos – antes da EB com a BNCC – e agora, com as licenciaturas, a BNCF , para que a adequação curricular da formação docente à Lei nº 13.415/2017 (Reforma do Ensino Médio) e à BNCC da educação infantil e ensino fundamental (2017) e da BNCC do ensino médio (2018), seja completa. Vale a pena lembrar que a reforma do ensino médio alterou a LDB no tocante às exigências de formação para todos os professores, dispensa a formação de professores em universidades, e institui o notório saber para contratação de professores para o percurso profissionalizante instituido com a reforma.

Nós, educadores, que já resistimos à criação dos ISEs em 98 e 99, à criação dos cursos normais superiores em substituição aos cursos de pedagogia na formação de professores de EI e 1º a 5º anos, resistimos à expansão desenfreada das licenciaturas à distância nas IES públicas, tão  almejada pelos privatistas  e também as Diretrizes Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica, aprovadas em 2002,  saberemos responder à altura e nos mobilizarmos para frear mais este retrocesso no campo da formação.

O XII Seminário de Formação de Professores, a ser realizado de 16 a 19 de setembro, em Salvador, será espaço de construção de resistências, mas sobretudo, de indicação de  possibilidades de materialização de nossas concepções,  em cada IES e em cada escola de educação básica, em oposição aos projetos do atual governo.

O silêncio do CNE tem sua razão de ser, pela sua composição majoritariamente privatista e por sua postura de apoio ao retrocesso no campo educacional.

A única instância de estado que poderia contrapor-se ao atual governo e suas investidas, mostra-se correia de transmissão regulatória de todo o desmonte.

Nossa área e todas as entidades devem cobrar mais firmemente seu posicionamento frente a destruição da educação pública, gratuita e democrática construída com muita luta desde os Manifesto dos Pioneiros.

 

 

Esse post foi publicado em Politicas de Formação. Bookmark o link permanente.

4 respostas para O inexplicável (?) silêncio do CNE diante do desmonte da formação de professores

  1. Pingback: Blog da Helena: “o inexplicável silêncio do CNE” | AVALIAÇÃO EDUCACIONAL – Blog do Freitas

  2. Ana Rosa Peixoto de Brito disse:

    Observações precisas e consistentes com a segurança de quem conhece bem de perto as “manobras” dessa política de desmonte da educação pública e da formação do Educador
    brasileiro.

    Curtir

  3. Pingback: Educação em debate, Edição 251 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

  4. Yuna Lélis Beleza Lopes disse:

    Se possível, divulguem o que será deliberado esta semana em Salvador para que possamos unir forças para resistirmos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s