BNC da Formação Continuada de Professores é apresentada pelo CNE sem consulta à área

O CNE, em completo descompasso com as necessidades históricas da formação e valorização profissional do magistério em nosso país,  elaborou, a portas fechadas e sem diálogo com as entidades acadêmicas, cientificas e sindicais da área educacional, Parecer e Resolução, encaminhados ao Conselho Pleno, Instituindo as Diretrizes Curriculares Nacionais da Formação Continuada dos Profissionais da Educação Básica. 

Tanto o Parecer  (leia aqui)  quanto a Resolução (leia aqui)  ignoram as contribuições da área consubstanciadas na Res. 02/2015 revogada pelo CNE, que vem sendo implementada nas IES nos últimos anos e que respondem à necessidade de construção de uma politica nacional de formação e valorização dos profissionais da educação, uma aspiração histórica do movimento dos educadores em defesa da educação pública em nosso país.

Tais Diretrizes, não incluídas na Res. CNE/CP 02/2020 que instituiu a BNC da Formação Inicial, aprovada em dezembro de 2019,  2a. parte de um conjunto de normatizações que indicam a intenção de aprofundar a  implementação de  uma politica de formação de professores de caráter tecnocrático, alinhada exclusivamente às competências e conteúdos da BNCC e à logica empresarial privatista que vem se impondo na educação básica pelos reformadores empresariais.

A atual crise sanitária em nosso país, exposta e agravada pela pandemia do COVID-19, vem expondo de forma clara e cristalina o assédio das fundações empresarias e OSs, sobre as redes de ensino, coma oferta de plataformas que se anunciam “milagrosas” para enfrentar a ausência do trabalho educativo presencial nas escolas públicas.

A face exposta dessa politica mostra a intenção de afastar as Universidades das ações de formação continuada dos profissionais das redes públicas de educação básica pela qual vêm se responsabilizando há décadas, principalmente desde a criação da Rede Nacional de formação de Professores da Educação Básica, criada em 2004.

A Resolução deixa clara a intenção do CNE de colocar a formação continuada sob responsabilidade de instituições locais (leia-se OS, ONGs, fundações empresariais hoje presentes em grande parte dos municípios, como Lemann, entre outras), conforme indica o Art. 5º, inciso “XI Estabelecimento de parcerias formalizadas entre escolas, redes ou sistemas de ensino e instituições locais para planejamento, execução e avaliação conjunta das atividades práticas previstas na formação continuada do professor”.

Acreditamos que a Resolução prepara o terreno para implementar a politica ade Creditação das Instituições Formadoras, avançar na proposta de diretrizes de carreira (já anunciadas no referido documento, em articulação com a formação continuada)  e avaliação docente, conforme anunciado no documento Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica, encaminhado ao CNE pelo do Ministério da Educação em 2018. (Leia aqui)

Nos próximos posts, estaremos analisando detalhadamente tais diretrizes, buscando explicitar as concepções que as informam, no quadro de retomada de proposições já derrotadas no campo educacional.

Esse post foi publicado em Assuntos Gerais. Bookmark o link permanente.

9 respostas para BNC da Formação Continuada de Professores é apresentada pelo CNE sem consulta à área

  1. Pingback: Formação Continuada: CNE discute base nacional | AVALIAÇÃO EDUCACIONAL – Blog do Freitas

  2. Maria Helena Roxo Beltran disse:

    Oi Helena!
    Gostei de saber do blog.
    Vou seguir.
    ✊✊✊

    Curtir

  3. Yuna Lélis Beleza Lopes disse:

    Professora Helena, obrigada pelo texto. Nós, enquanto categoria profissional, precisamos nos manter firmes e resistir a essa precarização da formação docente.

    Curtir

  4. Marina Cesana disse:

    Obrigada Marina

    Obter o Outlook para Android

    ________________________________

    Curtir

  5. José Rubens Lima Jardilino disse:

    Olá Helena, é a primeira vez que visito o blog da Helena, adorei, tem muitas informações para nosso campo. Parabéns vou frequentá-lo mais assiduamente. Li sua análise desta nova investida da necropolítica instalada nas instituições do país, que aproveitam a destruição da vida propriamente dita, para tentar destruir tudo que se vinha construindo em educação, saúde e direitos em gerais. Essa resolução é exemplo cabal disso.

    Curtir

  6. Pingback: Edução pelo Brasil, Edição 277 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

  7. Geovana Ferreira Melo disse:

    Cara Profa. Helena, as preocupações explicitadas em seu texto nos provocam a buscar alternativas mais incisivas contra todo o desmonte da formação docente que se anuncia com essa minuta de resolução. Sigamos na resistência propositiva. Abraços e gratidão pelas importantes reflexões compartilhadas!

    Curtir

  8. Leila Mororó disse:

    No dia 29/05/2020, o estado da Bahia publicou a Portaria da Secretaria de Educação n. 290/2020 que “institui o processo de credenciamento de pessoas físicas para prestação de serviços, consultoria, palestra e docência em educação à distancia – EAD, com vistas à formação dos profissionais da educação […]”. Com essa Portaria, o governo do estado da Bahia sela, mais uma vez, o seu vínculo com a privatização da formação dos/das trabalhadores/as da educação, em detrimento das quatro IEES e de toda a sua histórica participação na formação de professores do estado. Lamentável e ainda mais preocupante agora a partir da aprovação das DCN-FC.

    Curtir

  9. Pingback: A portas fechadas, DCN e BNC da Formação Continuada são aprovadas pelo CNE | FORMAÇÃO DE PROFESSORES – BLOG DA HELENA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s